TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER ANTES DE VIAJAR

Por que revisar o carro antes de sair de férias é importante?

Como diz o ditado: “é melhor prevenir do que remediar”. De fato, checar previamente o que precisa de troca ou manutenção é mais barato e mais seguro. Nada substitui a sensação de tranquilidade que experimentamos quando vamos pegar a estrada e sabemos que tudo está em ordem com o carro.

Segurança

Existem alguns sistemas no carro, como o freio e a suspensão, que são conferidos na revisão de férias. Como se sabe, é fundamental que esses conjuntos estejam em perfeitas condições de funcionamento para fazer uma viagem segura e sem imprevistos.

O freio é importante para parar o carro e diminuir, gradual ou bruscamente, a velocidade do veículo — afinal, dirigir em estradas implica em estar preparado para toda sorte de imprevistos. Um sistema de freios confiável envolve condições perfeitas de funcionamento de seus subsistemas. Por exemplo, se o nível de fluido de freio estiver demasiadamente baixo, a força aplicada nos pedais não será suficiente para fazer o carro parar no tempo correto.

Da mesma forma, o conjunto de suspensão deve trabalhar de maneira a equilibrar o carro, mantendo as 4 rodas no chão. Se falhar por falta de manutenção, o passeio poderá se tornar um pesadelo.

Outros sistemas também são responsáveis pela segurança do carro. Portanto, fazer a manutenção preventiva antes da viagem de férias vai proporcionar maior segurança em todo o trajeto.

Tranquilidade e Conforto

Imagine você viajando tranquilo num dia de calor. Ao fechar os vidros, você liga o ar-condicionado e nada; ele não funciona. Ou ainda, nesse mesmo passeio você percebe certos solavancos e os amortecedores chegando ao fim de curso, mesmo passando por irregularidades pouco severas.

O fato é: quem faz a revisão de férias confere todos esses sistemas antes de pegar estrada e, por esse motivo, sua tranquilidade e o conforto do seu carro não são afetados.

Imagine, por exemplo, se os limpadores de para-brisa estiverem ressecados e você tiver que parar devido a uma chuva leve. Ou se o sistema de vedação do carro não estiver 100% e começar a entrar água no automóvel. Só por esses exemplos já dá para ter uma noção do quão importante é a revisão para uma viagem sossegada, em que todos os detalhes estejam em ordem.

Conservação

Muito provavelmente você pensa em trocar de carro nos próximos anos. Pois imagine a sua dificuldade em passar seu carro para frente se a manutenção dele não for seguida à risca.

E nem adianta tentar “maquiar” o problema. Isso só torna o negócio impraticável e, na melhor das hipóteses, você terá que vendê-lo por um preço abaixo do praticado pelo mercado. Portanto, fazendo todas as revisões, inclusive a de férias, você pode negociar melhor as condições de venda ou de troca. Mesmo pensando apenas em curto prazo, a revisão de férias é vantajosa, pois não existe valor maior que a sua segurança, de sua família, e do trânsito ao redor.

Em muitos casos, esse tipo de revisão não envolve procedimentos complexos. Em alguns sistemas, há a necessidade de trocar apenas uma peça ou realizar serviços simples. Aqui, o custo-benefício é um fator importante, pois a não realização da manutenção preventiva — mediante valores relativamente baixos — pode implicar em outras peças e sistemas danificados, gerando a necessidade de mais intervenções e gastos bem maiores.

É o caso do alinhamento e do balanceamento. Além de afetar diretamente a dirigibilidade do carro, se ele não for feito periodicamente haverá desgaste prematuro de componentes essenciais, como os pneus e a suspensão.

Quais as peças que precisam ser verificadas antes de viajar?

Um carro pode ter até 30.000 peças, dependendo do modelo e do tipo de fabricação. Então surge a pergunta: quais delas precisam ser verificadas? Bom, não existe uma resposta fácil, mas se tirarmos os elementos de fixação e outros que não temos o hábito de conferir, como assoalho e acessórios internos, ainda no restam umas 15.000 peças.

Ok, impraticável verificar tudo isso, certo? Certíssimo. Em vez de checar item por item, vamos utilizar uma ferramenta da engenharia de qualidade, chamada lei de Pareto, muito útil para diversas situações. Basicamente a lei de Pareto diz que “80% das consequências advêm de 20% das causas”.

Em outras palavras: a maioria dos problemas que encontramos em um carro vem de uma minoria de sistemas. Então, para facilitar a sua vida na hora de fazer a revisão, separamos os principais “vilões” que merecem a sua atenção antes de sair de férias. Checando-os você elimina a maioria dos contratempos que podem surgir na viagem.

Sistema de Arrefecimento

Para começar, o sistema de arrefecimento é aquele responsável por “retirar calor” do motor. Devido à combustão e ao atrito dos componentes no interior do motor, há uma geração constante de calor que precisa ser eliminada do carro, e o responsável por essa função é esse sistema.

Boa parte dos problemas no sistema de arrefecimento ocorrem por falta de aditivo no líquido. É fundamental trocar o líquido do sistema de arrefecimento dentro do período recomendado pela montadora do veículo – a cada dois anos em média – e utilizar a proporção correta entre água e aditivo.

O líquido de arrefecimento confere proteção anti-corrosiva às peças metálicas que entram em contato com a água, prolongando a vida útil de itens como sensores térmicos, válvulas termostáticas e sensores de temperatura.

Todas essas peças têm prazo de validade e devem ser inspecionadas. Para saber essas informações, consulte o manual do proprietário ou procure por um mecânico de confiança, pois cada carro tem suas peculiaridades e tais componentes devem ser conferidos periodicamente.

O sistema de arrefecimento é responsável pela maioria dos casos de carros encostados no acostamento com o capô aberto. Quando ouvimos dizer que o motor “ferveu” ou, com mais gravidade, “fundiu”. Portanto, verifique o nível de água no reservatório, faça as devidas manutenções e vigie o indicador de temperatura no painel durante toda a viagem.

Freios

Para entender sua importância e porque eles merecem sua atenção na hora de fazer a revisão de férias, vamos primeiro entender seu funcionamento. A maioria dos freios trabalham com o mesmo princípio, indiferentemente se há o auxílio de um sistema eletrônico, como o ABS.

O que acontece é que a força aplicada no pedal é transmitida ao servo freio através de uma alavanca ou acionador eletrônico, por sua vez, o servo amplifica e entrega a força ao cilindro mestre. Se o freio for a tambor, o fluido hidráulico será enviado ao cilindro de roda, que acionará um par de pistões conectados às sapatas de freio que serão forçadas contra a parede interna do tambor. Se o freio for a disco, o fluído será enviado aos pistões, que forçarão as pastilhas contra os discos de freio, gerando muito atrito para reduzir a velocidade.

Sabendo disso, é possível ter noção da importância da manutenção preventiva nesse sistema. Qualquer falha aqui pode provocar um acidente. Assim, antes de viajar, certifique-se de que o nível de óleo de freio está normal e verifique também a situação das mangueiras. Se estiverem ressecadas ou com vazamentos, considere substituí-las.

Quanto às pastilhas de freio, você só terá noção da situação na hora em que as retirar. Se as condições da estrada por onde trafega forem severas, use o bom senso e as substitua antes do período de revisão programada.

Pneus

Se você é daqueles que pensa que o pneu serve apenas para dar aderência entre o carro e o solo, reconsidere. É verdade que essa é a principal função desse componente e o carro faz curvas melhores quando eles estão em perfeitas condições.

No entanto, os pneustambém fazem parte do sistema de amortecimento do carro. Quando os engenheiros fizeram a suspensão do carro, mais rígida (esportiva) ou absorvendo mais impactos (veículos de passeio), eles consideraram em seus cálculos a influência dos pneus.

Portanto, antes de pegar a estrada, algumas medidas devem ser tomadas em relação aos pneus, de modo que se garanta uma viagem mais segura. São elas:

  • faça uma avaliação dos pneus e veja se eles têm condições de serem utilizados. Procure por marcas irregulares em toda a banda de rodagem e procure também pelos TWI, que são indicadores de desgaste. Quando são pressionados contra o meio-fio, alguns pneus costumam desenvolver “bolhas” na lateral. Se esse for o caso, eles também devem ser substituídos.
  • Procure pelo manual do seu carro e consulte a pressão correta dos pneus. Em alguns modelos, os valores estão indicados na coluna da porta. Já em outros, os números ficam na tampa do reservatório de combustível. A calibragem precisa previne desgastes prematuros e desperdício de combustível.

Os pneus devem estar frios para a realização desse procedimento. Assim, não deixe para fazer isso quando já estiver na estrada. O ar tem a propriedade de se dilatar com o aumento da temperatura. Assim, ao se calibrar com os pneus quentes — ar expandido — eles tendem a perder pressão assim que o ar esfriar.

Suspensão

A suspensão é responsável por garantir o conforto aos ocupantes e estabilidade do veículo em manobras e frenagens.

Esse importante sistema consiste de:

• pneus;

• amortecedor;

• mola;

• braço oscilante;

• pivô;

• barra estabilizadora.

O primeiro passo para conservar o sistema de suspensão é manter o seu carro sempre alinhado. No alinhamento as rodas devem ser inspecionadas, pois não é possível realizar um bom alinhamento se houver folgas.

Falhas no sistema de suspensão podem causar descontrole na condução do carro, movimento excessivos ao passar em lombadas, rangidos ou pancadas secas na carroceria, aumento na distância de frenagem e desgaste prematuro dos pneus.

A manutenção preventiva da suspensão é muito importante, pois é esse sistema que permite total controle sobre o carro e trafegar com conforto e segurança.

Itens de Segurança

Triângulo, macaco hidráulico e chave de roda nunca devem sair do seu porta-malas, mas não custa verificar os seus estados. Alguns modelos de triângulo, se mal armazenados podem quebrar facilmente e não o ajudarão na hora do aperto.

Quando fica muito tempo guardado, o macaco pode ficar duro e emperrado, em função do ressecamento da graxa. Sendo assim, vale a pena dar uma conferida. Já a chave de roda que vêm de fábrica normalmente têm o braço de apoio muito curto, dificultando o desaperto dos parafusos na hora de trocar uma roda.

A melhor solução é optar por uma chave com braço mais longo, ou procurar um extensor para facilitar o serviço. Aproveitando que está com o porta-malas aberto, confira se o estepe está em condição de uso e se precisa ser calibrado.

Sistema Elétrico

O sistema elétrico do carro também precisa ser verificado. Nele se incluem a bateria, os cabos condutores, o sistema de iluminação e o alternador.

bateria é a peça mais comum de ser trocada. Ela tem sua durabilidade média variando de 2 a 3 anos, sendo ela quem fornece energia para todos os sistemas elétricos do carro, como iluminação, sinalização, motor de arranque e outros. Para não correr o risco de ter uma pane elétrica enquanto viaja, confira quando foi a última vez que essa peça foi trocada.

Quem fornece a energia para a bateria é o alternador, que basicamente é um gerador de corrente contínua, de cerca de 14 volts. Se a bateria é nova e você está com problemas elétricos, esse componente pode ser o responsável.

Também é importante verificar a iluminação do carro antes de pegar a estrada. Veja se as luzes das placas, as luzes de ré, de freio e os demais sinais luminosos estão funcionando. As lanternas dianteiras são difíceis de apresentar problemas, porém, se estiverem desalinhadas podem dar uma grande dor de cabeça.

O ideal é que a luz da esquerda ilumine a pista, enquanto a da direita ilumine as placas. Se notar que elas estão fracas, com pouca iluminação, vale a pena levar o carro num eletricista automotivo para dar uma checada. Aproveite e peça para limpar os espelhos internos da lanterna.

Shopping Cart